id="news"-->
Benção especial do padre Antônio Maria marca confraternização natalina do Judiciário estadual
em 17-12-2013 00:30:00 (319 leituras)

confsintjEm,17/12/2013

Uma benção especial do padre Antônio Maria marcou a confraternização de fim de ano de magistrados e servidores do Poder Judiciário estadual. A comemoração ocorreu na manhã e início da tarde desta segunda-feira (16), na Sala de Sessões do Tribunal Pleno, no Anexo Administrativo “Desembargador Archimedes Souto Maior”.



A presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), desembargadora Fátima Bezerra Cavalcanti, na ocasião, agradeceu a todos os

desembargadores e servidores que colaboram para a construção de um Judiciário moderno e transparente, primando pela celeridade processual por

meio das tecnologias disponíveis e da dedicação funcional, indispensável para o alcance das metas.
 
“Em quase um a não de gestão, tenho muito a agradecer. Agradeço primeiro aos servidores, que têm se esforçado para desempenhar bem suas

funções. São poucos funcionários, mas muito serviço. A efetividade e dedicação de cada servidor é o diferencial. A eles a minha gratidão. Agradeço

aos magistrados de 1º e 2º graus, que são parceiros da gestão e nos ajuda a fazer uma prestação jurisdicional melhor para a comunidade. E

agradeço a Deus a oportunidade de estar gerindo o meu tribunal”, disse a desembargadora.
 
Ela também fez questão de agradecer a presença do padre Antônio Maria, no Tribunal de Justiça. “Celebrar o Natal é colocar em evidência a figura

máxima, que é Jesus Cristo. O sacerdote Antônio Maria tem divulgado o nome do Senhor por onde passa. Pela primeira vez, vem ao tribunal dizer

que o templo da Justiça é também casa de Cristo”, assegurou.
 
Durante mais de duas horas, o padre Antônio Maria emocionou a família judiciária com canções conhecidas e a sua benção especial. Na

oportunidade, o público pode cantar com o religioso belas músicas como Nossa Senhora, Ninguém Te Ama Como Eu, Sonda-Me e Só Um

Milagre, dentre outras canções.
 
O padre ainda fez que questão de lembrar aos fieis, que o motivo principal do Natal não é a luxúria, as compras de fim de ano e nem tão pouco as

festas, mas, sim, o nascimento do menino Jesus. Ele, também, falou da importância do amor entre as pessoas.
 
“Temos que acreditar que o amor existe, embora as notícias sejam sempre dramáticas, tristes. Mas é bom lembrar que o amor existe. Há mais mães

acariciando seus filhos, há muita gente nos hospitais se doando, muitos religiosos, muitos leigos, fazendo o bem. Não vamos nos deixar levar pelas

notícias trágicas. Não, há muito mais amor. E Jesus vem no Natal para nos despertar de novo para esse amor. E eu desejo um Natal muito feliz a

todos, com esse Deus que tudo muda, tudo transforma”, ressaltou.
 
No final da benção, ele pediu ao Senhor que esses servidores da Justiça e magistrados sejam seus instrumentos e façam a justiça de Deus, e

aprendam a bondade. “O Tribunal é um símbolo dos tribunais que levamos no coração. Nós somos chamados por Deus a sermos juízes também. Às

vezes, um pai ou uma mãe condena o filho. E não podemos só condenar. Temos que ser justos. Que Deus nos abençoe, para que possamos fazer

justiça”, assegurou.
 
Durante a benção, o padre Antônio Maria entregou de forma simbólica a desembargadores, juízes e servidores da Justiça, capelas da Mãe Rainha

três vezes admirável de Schoenstatt. Os agraciados foram os desembargadores Fátima Bezerra, Maria das Neves do Egito e Júlio Paulo Neto, dos

juízes Maria das Graças Fernandes Duarte Antônio Carneiro de Paiva Júnior, e do presidente do Tribunal de Contas do Estado, (TCE-PB),

conselheiro Fábio Nogueira.
 
Já entre os servidores receberam a imagem João Nogueira Goes, oficial de Justiça, Izaura Gonçalves de Lira, técnica judiciária da 6ª Vara Cível da

Capital, Lindinalva Barbosa Agliardi, analista judiciária da 2ª Vara da Família da Capital, e João Ramalho, representando os sindicatos, além da

servidora terceirizada Ana Lúcia Oliveira de Souza e da presidente da Aemp, Rozane Maria Lourenço Gomes.
 
Biografia – O religioso lançou em sua carreira artística 17 discografias. O primeiro CD “Meine seell freut sich in dir, Maria (Minha alma se alegra

em ti, Maria)” foi gravado na Alemanha, quando o padre fazia parte do coral do instituto Josef Kentenich Kolleg. A última obra, lançada em 2011,

“Novo caminho” conta com a participação dos cantores Paula Fernandes, Hudson & Donizete e as Irmãs Galvão.
 
Já na parte literária, o padre Antônio Maria lançou dois livros: “Conversando com Maria e Pescadores de Corações”. A primeira obra, o religioso

conta histórias verídicas de sua caminhada e deixa Maria, a mãe de Jesus, responder às questões que ele mesmo apresenta à Virgem. O segundo

livro, narra como Deus “pescou” Antônio para o sacerdócio e fala dos muitos pescadores que Ele usou nesse chamado como iscas.

Fonte:  SINJEP
 

Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo